top of page
  • Foto do escritorEPM

EPTC faz a entrega de kit escolar de educação para mobilidade em escola


Ação busca a inserção do tema do trânsito de forma permanente no currículo da rede municipal. Imagem: Alex Rocha/PMPA

A prefeitura entregou para 30 crianças da Emef Aramy Silva, no bairro Camaquã, na manhã desta segunda-feira, 21, um kit escolar composto por caderno, lápis, borracha, régua e estojo, com a temática de mobilidade, que poderá ser customizado pelos alunos.


A entrega faz parte de um acordo de cooperação entre a Secretaria de Mobilidade Urbana (Smmu), através da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), e a Secretaria Municipal de Educação (Smed), que tem por objetivo a conjugação de esforços, sem qualquer repasse financeiro entre as partes, para viabilizar a realização de projetos de ensino em educação para mobilidade e a inserção do tema do trânsito de forma permanente no currículo da rede municipal.


A secretária municipal de Educação, Sônia Maria Oliveira da Rosa, destacou a importância da união dos órgãos municipais para a formação dos jovens. “A educação está interligada com a formação integral de todos os cidadãos e com a transversalidade dos diversos setores da administração pública, inclusive a mobilidade urbana. É através da construção do caráter das nossas crianças e adolescentes que faremos a sociedade avançar”, afirma a secretária.


Hoje fazem parte do projeto piloto as escolas Emef Vila Monte Cristo, do bairro Vila Nova, Emef Migrantes, do bairro Anchieta, e Emef Aramy Silva, do bairro Camaquã. “Com o projeto, queremos ampliar a percepção das crianças em relação à importância da educação para o trânsito. A mudança da sociedade e a construção de cidadãos mais conscientes começam pela infância”, destacou o secretário municipal de Mobilidade Urbana, Adão de Castro.


“A educação, junto com a engenharia de tráfego e a fiscalização, são os pilares das áreas de atuação da EPTC para fortalecer a cultura da mobilidade segura e a responsabilidade no trânsito. Esta iniciativa tem como objetivo preservar vidas ao implementar uma nova cultura de conhecimento e percepção dos riscos presentes no trânsito por parte dos alunos e de toda a comunidade escolar da cidade de Porto Alegre”, destaca o diretor-presidente da EPTC, Paulo Ramires.


A diretora da escola Aramy Silva, Adriana Bertolazzi, destacou a importância para os alunos em participar do projeto permanente Escola Amiga da EPTC. “Graças a este trabalho realizado ao longo dos anos, conseguimos conscientizar as famílias para reduzir o número de vítimas e de acidentes de trânsito”, afirma. O objetivo é alcançado através de um processo contínuo de construção de conceitos e valores em prol da segurança viária e da preservação da vida. Após a cerimônia, todos os mais de 800 alunos da escola receberam o kit escolar temático.


Esta cooperação faz parte das atividades da Escola Pública de Mobilidade da EPTC, para a construção de um trânsito mais seguro. E também visa a servir de modelo para incentivar outros municípios do Estado do Rio Grande do Sul a realizarem ações conjuntas entre suas secretarias de Mobilidade e Educação para promover a diminuição dos índices de feridos em acidentes com envolvimento de escolares.


A capital gaúcha faz parte do Programa Vida no Trânsito (PVT), coordenado pelo Ministério da Saúde, e desde 2012 faz a análise de todos os acidentes fatais, com o objetivo de identificar os fatores e condutas de risco que resultaram em acidentes graves. As causas desses sinistros de trânsito decorrem, na sua maioria, de ações comportamentais dos usuários das vias (condutores e pedestres). A partir da identificação desses fatores e condutas de risco, como subsídio para as áreas de educação, planejamento e fiscalização, as ações são direcionadas para a prevenção de novos acidentes.

Como resultado dessa metodologia, Porto Alegre, que tem uma das menores taxas de mortalidade no trânsito entre as capitais brasileiras, antecipou em dois anos a redução da projeção de 50% do número de vítimas fatais estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) para a primeira Década de Ação Pela Segurança no Trânsito (2011/2020), que era de, no máximo, 76 vítimas fatais para 2020 em Porto Alegre. Em 1998, no ano de criação da EPTC, 199 pessoas perderam a vida em sinistros de trânsito.



 

Texto: Gustavo Roth

Edição: Andrea Brasil

93 visualizações0 comentário
bottom of page